domingo, 15 de março de 2009

Ensinando a minha prima ninfeta a arte do prazer...



  • Logo que a Carol se deitou dava pra ouvir algumas coisas que ela falava, meio sussurrados, ela demonstrava que não acreditava que tinha feito aquilo em meu pau, falava que era uma delicia aquele “melzinho” que ela tinha lambido. Foi sussurrando, até se emudecer e dormir. Acabei dormindo após um longo tempo pensando e refletindo os últimos acontecimentos entre eu e a Carol. Devia ser umas 09:00 horas quando acordei e senti que a Carol ainda dormia, estávamos ainda de conchinha e percebi que eu estava com as mãos entre as pernas da Carol, bem perto da bucetinha dela, provavelmente devido ao hábito de dormir assim com a minha ex, acabei dormindo assim. Rapidamente retirei as minhas mãos e me levantei devagar pra não acordar a Carol, fui ao banheiro aproveitei e tomei um banho, lavei o meu pau que estava todo sujo e ainda todo melado devido ao gozo que tive com a Carol, com os toques da lavagem rapidamente fiquei excitado e acabei me masturbando. Após o banho saí do banheiro pelado e fui até o meu quarto pegar um outro short, novamente não coloquei cueca. Fui ao quarto da minha mãe e a Carol estava deitada de bruços com a camisa um pouco levantada e mostrando toda a sua bunda, guardei os filmes na caixa e peguei algumas coisas que estavam no chão, nisso a Carol desperta e fala comigo, já levantou primo, que horas são. Respondi que era um pouco cedo, ela então me chama para deitar um pouquinho com ela, me deitei e ela se virou pra mim e perguntou se eu tinha dormindo bem, respondi que sim e que apaguei, dormi como uma pedra. Perguntei se ela tinha gostado do filme, ela respondeu que não gostou muito e foi logo dormir também, mas que o melhor de tudo foi dormir comigo, que era muito bom dormir com um homem, dava a impressão de proteção. A Carol falou que tinha sonhado que estávamos fazendo sexo igual ao que ela viu no filme, e que depois do sexo a gente dormia e eu ficava com a mão em sua buceta. Nisso ela pergunta quando eu ia mostrar os filmes pornôs que eu tinha guardado, respondi que ia tentar fazer pra ela mais tarde, e perguntei o porque da pressa, ela me respondeu que não via a hora de aprender mais sobre sexo e que depois da seção de filmes da noite passada, ela ficou com mais vontade. Logo percebi que realmente a noite passada fez a Carol ficar mais sapeca e libidinosa. Depois do almoço tudo parecia normal, menos a Carol que estava com a corda toda. Ela cismou de andar de calcinha e com um top pela casa, nem se incomodava com a minha presença. Depois que ela viu o meu pau e sentiu o gosto, a Carol estava mais atrevida. Perguntei pra Carol se ela estava com calor, ela respondeu que mais ou menos, ela estava se sentindo mais à vontade e queria ficar só de calcinha e aproveitar que estávamos sos em casa e ninguém ia implicar. A Carol fez um comentário referente ao tamanho da sua calcinha e perguntou, primo o que você acha das minhas calcinhas? Respondi que eram bonitinhas, mas meio infantis. E que não valorizavam a sua bunda que era bem bonita e grande. Coisa que mais tarde ela deveria dar uma atenção. Ela riu e de imediato respondeu que tinha vontade de vestir calcinhas menores e sexy, mas a sua mãe não deixava e que de vez em quando ela colocava biquíni no lugar da calcinha porque eram menores que as suas calcinhas. Falei que nem tinha visto os biquínis que ela tinha trazido, na hora a Carol foi ao seu quarto e trouxe uma bolsinha com vários modelos e começou a me mostrar. Tinham uns sete modelos, dois pretos que um era meio grande tipo sunga e o outro era fio dental bem cavado mesmo. Tinha um vermelho tamanho normal, mais três estampados e um azul que de tão cavado chegava ser indecente. A Carol falou que ia vestir um por um pra eu ver e falar qual era o mais bonito. Ela foi colocando os mais comportados primeiro, colocava a parte de cima onde ela virava de costas pra mim e pedia pra amarrar e assim ela não precisa ir toda hora no banheiro para se trocar, quando ia trocar a parte de baixo, ela pedia pra eu fechar os olhos e depois amarrar os que eram de amarrar. Nesse troca-troca de biquínis, várias vezes ela deixava a parte de cima escapar e me mostravam os pequenos seios. Eram rosadinhos e pequeninos, mas eram bicudinhos, No inicio ela ficou meio vergonhosa, mas depois já agia com naturalidade e não esquentando que eu praticamente estava vendo eles despidos. Nos últimos ela já retirava sozinha de frente pra mim e ficava sem nada na parte de cima e colocava-o e pedia depois para amarrá-lo nas costas. Ela fazia umas caras de exibição que começavam a me excitar, tentando me provocar o tempo todo. Assim que ela colocava os biquínis, ela ficava dando voltinhas, rebolando e apertando sua bunda quando estava de costas pra mim, e além de me perguntar se eu estava gostando e falando que ela era melhor que a minha ex. Quando chegou o mais cavado e esse era de amarrar na lateral também, acabando de colocar e esse ela não fez questão de colocar a parte de cima, pois acho que ela percebeu que eu fiquei maluco com a visão que tive. Ela deu umas voltinhas e começou dançar de forma bem sensual, parecia até uma “mini-stripper” subiu no sofá ficando logo de quatro mexendo a sua bunda de um lado pro outro. Um dos laços que amarravam a lateral da parte de baixo se soltou e quase que ela ficou pelada, fui amarrar e quando minhas mãos encostaram em sua pele, deu pra ver que o seu corpo inteiro ficou arrepiado sendo visível nos poros da pele dela. Dei um tapinha na bunda dela e falei que era pra ela parar com isso e se vestir direito, para darmos uma saída. Na verdade eu estava tentando tirar ela da minha frente e inventar algo para fazermos, senão eu não ia resistir mais e acabar chupando aquela bunda maravilhosa ou morder aqueles peitinhos. Quando ela se levantou, ela deu uma olhada pra meu pau e viu que eu estava muito excitado, ficando muito claro pra ela que estava conseguindo me excitar sem me tocar ou pressionar o meu pau, respondendo mais uma vez pra ela, que ela conseguiria me excitar e seduzir a qualquer hora que ela quisesse. Pedi pra ela pegar os filmes lançamentos para entregarmos na locadora. Ela foi pegou os filmes e voltou com uma mini-saia e uma camisa de malha que dava pra ver que ela não estava com nada por baixo. Fomos e entregamos os filmes, ela escolheu mais um do gosto dela, paguei os filmes e comprei dois potes de sorvete pra gente porque tava muito calor, a Carol pediu também um picolé pra ela enquanto não chegávamos em casa. No caminho a Carol fazia caras e bocas com o picolé, ficava lambendo e depois chupava muito o picolé. Quando entramos no elevador do prédio, a Carol ficou de frente e ficava chupando picolé de uma forma bem pornográfica, perguntei pra ela se ela gostava de chupar, ela respondeu que ainda não teve a oportunidade, respondi pra ela em tom de pergunta o que é que você tá fazendo com o picolé então? Ela então percebeu que eu não falava de sexo e respondeu que ela estava pensando em outra coisa. Comecei a rir. Entramos em casa e ela foi pro quarto ver o filme, aproveitei peguei os filmes pornôs e fui para o computador “preparar” os filmes. Peguei um programa de fácil utilização e comecei a extrair os filmes e depois dividi-los em partes. Separei todas as partes de boquete e chupação de buceta e fiz um filme só com sexo oral, coloquei todas as cenas de boquete juntas e depois fiz um misto de chupação de bucetas e peitos. Demorou um pouco, mas deu tempo de fazer antes de acabar o filme dela, gravei num DVD virgem e aguardei ela fazer o pedido novamente. Fui tomar um banho gelado e demorado, coloquei uma sunga e fui na sala ver TV e tomar um sorvete. A Carol já tinha detonado mais da metade de um dos potes de sorvete, tô na sala vendo TV tranqüilo quando chega a Carol toda animada e ainda vestida com a roupa que saímos, ela me vendo de sunga fala bem alto que também ia ficar mais à vontade e retira a mini-saia. A danada ainda estava com o tal biquíni atrevido e vai na cozinha pegar sorvete, quando volta ela já esta sem a camisa e mostrando os peitinhos na maior cara-de-pau. Pergunto pra ela se ela não tinha vergonha de ficar assim, ela responde que não vê problema e se senta ao meu lado no sofá para também tomar o seu sorvete. A Carol então pergunta sobre o tal filme que eu a tinha prometido, falei que estava pronto e que logo mais tarde entregaria pra ela. Logo ela me pergunta porque a gente não assistia o filme juntos, respondi que era pra ela ver primeiro sozinha e que se tivesse alguma duvida, depois eu assistiria com ela. Lembrei pra Carol que a minha mãe já estava quase chegando e que era pra gente arrumar o quarto dela e colocar as coisas no lugar, além dela colocar uma roupa decente. E não esqueci de falar pra a Carol não comentar que dormimos na cama da minha mãe juntos. A Carol fez sinal de positivo e foi arrumar as coisas, peguei o aparelho de DVD da minha mãe e coloquei no quarto da Carol e deixei o filme que preparei dentro de seu armário e depois falei com ela que o filme estava lá guardado e era pra ela assistir mais tarde, com a porta trancada não deixando a minha mãe saber desse filme. Passando algumas horas, a minha mãe chegou e conversamos muito sobre a viagem dela, sobre o que fizemos em casa e etc...

0 comentários:

Postar um comentário

Esta Página contém posts e comentários.

  

voltar ao topo